1 de setembro de 2014

Assassina silenciosa

Cuide-se! Siga as recomendações rigorsamente e tenha uma vida prolongada, mais saudável e produtiva.

  A hipertensão arterial é assim chamada pela American Heart Association, porque muitas vezes não apresenta sintomas ou estes passam despercebidos ao paciente. Continua sendo o maior entrave médico-social, independente do nível de desenvolvimento do pais.

  Já no século XXI representa um dos maiores desafios para tratamento em saúde pública. A Organização Mundial de Saúde (OMS) colocou essa doença em primeiro lugar entre os dez maiores riscos à saúde, responsável por13% da mortalidade mundial.

  Por estudos comparativos em várias populações 50% das pessoas desconhecem que são hipertensas e na outra metade apenas 25% tratam corretamente.

  Como saber quando um paciente é hipertenso? A pressão arterial deve ser sempre verificada por médico habilitado, estando o paciente em condições de repouso e nunca aleatoriamente, quando a pessoa está andando na rua. Poderá ser medida nos braços ou nas pernas, se houver suspeita de outras lesões associadas, como também poderá ser medida quando o paciente está em pé, para comparar os resultados.

  O sangue é transportado do coração para todos os órgãos do corpo pelas artérias. A pressão arterial, então, corresponde ao esforço do sangue passando pelas paredes dessas artérias. Quando o coração se contra I a pressão é maior e por isso se chama sistólica. Entre os batimentos o coração tem um breve repouso, a pressão diminui e é chamada diastólica.

  Assim como cada raça tem patologias específicas, a raça negra é mais propensa a hipertensão arterial. Quanto ao sexo, as mulheres são mais atingidas.

  Até pouco tempo nós médicos considerávamos como normal uma pressão arterial de até 140 por 90 nos pacientes idosos, porque se entendia que a pressão sistólica aumentaria progressivamente com a idade. Estudos mais recentes comprovaram que esses níveis de pressão provocaram doenças cardio-vasculares e acidentes vasculares cerebrais (AVC). O que se deve levar em consideração é que o idoso nem sempre apresenta uma só patologia. A hipertensão geralmente está associada a diabetes, obesidade, depressão, alterações de colesterol e triglicérides e ao vício do fumo.

  Para esses pacientes o geriatra deverá fazer um acompanhamento particular, visando melhoria das doenças pré-existentes com medicamentos anti-hipertensivos, que não interajam prejudicando as outras doenças. As doses dos medicamentos deverão ser adaptadas, para que não ocorra hipotensão ortostática, como a queda de pressão arterial quando o paciente se levanta da cama, podendo sofrer até quedas traumatizantes.

  Deve-se dar também atenção à obesidade, que triplica o risco de doenças cardio-vasculares, bem como à ingestão diária de sal. Uma orientação que damos aos nossos pacientes é eliminar o saleiro de suas mesas, conservando-o apenas como peça decorativa.

  Praticar exercícios diários, parar de fumar, ingerir água, comer muitas frutas, legumes e verduras para aumentar a quantidade de potássio no organismo, bem como a adesão permanente ao tratamento medicamentoso farão com que sejam reduzidos os riscos graves da hipertensão arterial.

  Cuide-se! Siga recomendações rigorosamente e tenha vida prolongada, mais saudável e produtiva.

  O quandro define bem os níveis de pressão arterial normal e aterada

  Sistólica(mmHg) Diastólica (mmHg)

  Normal menor que 130 menor que 85

  Normal máxima 130-139 85-89

  Alta 140 ou mais 90 ou mais Luiz Freitag - email: lvfreita@uol.com.br

Patrocinio





Recado
Anjos de um minuto
Ele avançou com dificuldade e, então, percebeu. A mulher seguia ao lado

Somando forças
Um ano cheio de surpresas, este que deixamos para trás. A natureza em fúria deixou penosas lembranças

Cumpra sua lista. Sempre há tempo
Novo ano. Sempre é hora de revisar comportamentos e tomar rumo certo

Quando pensar faz mal
Às vezes surpreendo as pessoas afirmando que pensar racionalmente

© 2014 Vidaintegral Ltda.